20 de julho de 2024

O ANO ENTUBADO DE 2020



O ano entubado de 2020

 

Que esse ano não foi nada fácil todo mundo sabe, né? Quase 200 mil famílias perderam seus entes queridos  para a Covid-19.  Essas vítimas enterraram seus familiares mortos e sonhos, projetos, metas, viagens, pensamentos, sorrisos, gargalhadas, momentos bons e programações foram enterrados juntos, num englobar de emoções.

Quem permaneceu vivo e com saúde ficou aqui se perguntando se algo poderia ter sido diferente, vivendo a agonia de não ver a pessoa amada adoecida, sentir o cheirinho dela, segurar a mão, confortar nesse momento difícil.  Só podia orar e aguardar as notícias dos médicos, aflitos sabendo que o universo e destino poderiam mudar  a qualquer momento.

Esse ano não só mostrou a importância de se valorizar os momentos pequenos, como um café da tarde na casa da vó, um encontro aleatório sem esperar, uma risada espontânea, brincadeiras com seu animal de estimação, abraços calorosos entre amigos e familiares, e assim vai… Momentos únicos e sem preço, somente com sentimento…

Mas também não podemos generalizar os 365 dias como se TODOS tivessem sido ruins, tudo é questão de balanceamento. Fazer algo novo pela primeira vez, começar a namorar, viajar, e ter um olhar mais amplo do que é viver, foram uma das transformações de hábitos que podemos ter. Ter alguém próximo que você ame, que te ajude a superar o luto, a culpa e a mudar o foco é primordial para suportar as dores e perdas do ano. Julgamentos, conflitos, surpresas boas e ruins com amigos são normais, acontecem, nem sempre esperamos algo de ruim vindo das pessoas eu nos cercam, mas é a vida, temos que estar preparados para o que der e vier, saber dançar conforme a música, e ter um alguém nos apoiando e nos entendendo foi mais que importante nesse 2020.

O que mais desejo para esse 2021 é saúde, depois empatia e compreensão, principalmente o entendimento emocional: saber se colocar no lugar do outro,  compreender eu não somos nada para julgar os outros, saber todos podem errar, aprender e tirar lições de cada acontecimento. Espero que nesse novo ano, liguemos menos para a opinião de fora, para a “aprovação” das outras pessoas, e, que vivamos mais pensando na nossa história e não naquela de quem está nos vendo.

Que esse ano novo nos traga hábitos novos e positivos, com um ar de renovação e o principal: sororidade, que, traduzido do inglês se escreve “sisterhood”, que nada mais é do que a relação de união, irmandade e afeto entre a irmandade.

Que seja um mundo menos machista e com mais amor entre as pessoas e em especial entre as próprias mulheres, pois esse ano também nos mostrou o julgamento entre elas. Tantos casos repercutiram na mídia de conflitos, disputas, xingamentos e violência contra as mulheres. Isso também é algo muito triste.

O pensamento de cada pessoa é diferente e carrega por traz as histórias, as vivências, e as prioridades de cada um. Não dá para querer impor a alguém eu faça algo que o outro pense ou queira. Isso não é digno de ética, nem de amor ao próximo. Então, que nesse ano sejamos mais empáticos e pacientes em algumas situações que não levará a nada.

Bom final de ano a todos. E que 2021 seja um ano em eu possamos entubar a raiva, a corrupção, o desafeto, a maldade, e as doenças.

 

 

Raphaela Vitiello

INFLUENCER E JORNALISTA

Raphaela Vitiello é uma jornalista, com 24 anos de idade e formação em jornalismo pela renomada PUC. Sua trajetória profissional é marcada por experiências enriquecedoras em diversos meios de comunicação, onde pôde aprimorar suas habilidades e conhecimentos desde o início de sua carreira quando começou as exercitar a profissão aos 13 anos. Atualmente, Raphaela Vitiello integra a equipe da VTV, uma afiliada do SBT em Campinas e com sua paixão pela comunicação e dedicação ao seu ofício, continua a se destacar como uma profissional promissora e comprometida em informar e inspirar o público, deixando sua marca no cenário jornalístico regional.